Cinema Críticas

Critíca: Despicable Me 3

Despicable Me 3

Nome: Gru – O Maldisposto 3

Título Original: Despicable Me 3

Realização: Kyle Balda, Pierre CoffinEric Guillon

Elenco: Steve Carell, Kristen Wiig, Trey Parker, Miranda Cosgrove, Dana Gaier, Nev Scharrel

Duração: 90 minutos

É o terceiro filme da saga Despicable Me, se excluirmos o spin-off Minions, criado pela Illumination. Esta companhia não tem medo de mostrar as suas raízes europeias mesmo que o seu sucesso já seja global. Apresenta ilustrações fantásticas e muito características que propositadamente se diferenciam das americanas.

Quanto ao desenvolvimento criativo este filme está fragmentado, ou seja, é mais um conjunto de várias pequenas histórias do que um filme desenvolvido de um só plot. Será a melhor opção? Analisemos por partes, temos: os mínimos, o vilão dos anos 80, a Agnes (Nev Scharrel) na caça ao unicórnio e o irmão gémeo perdido do Gru (Steve Carell).

Os mínimos perdem um pouco do seu brilho neste filme, será intencional? Agora que têm o seu próprio spin-off onde protagonizam, foram ligeiramente dispensados. E o facto de lhes terem dado um líder retira o relevo ao trabalho de equipa que era o que proporcionava mais oportunidades para humor nas aventuras destas personagens.

O vilão Balthazar Bratt (Trey Parker) é o melhor deste filme. As constantes referências aos anos 80 em todas as armas que usa e os seus movimentos de luta associados a passos de dança desse período são hilariantes. A seleção das músicas nas cenas da personagem é mais que adequada e nem se fala no “Moonwalk on the Water” que levou a sala cinema ao delírio. A única desvantagem é que o desenvolvimento da personagem não vai muito além disto não tendo novidades para quem já acompanhou os trailers.

É um filme para todas as idades. Para os miúdos temos a história da Agnes que é a melhor que se podia criar para esta personagem (adivinhem, tem a ver com unicórnios). Também o segmento dos irmãos Dru e Gru que origina muito humor por ilustrar aspetos que todos que tenham irmãos irão perceber e apreciar. Mas, também é um filme cheio de humor para os adultos, sendo o que desta trilogia foi mais longe nas piadas “que as crianças não vão perceber”.

Apenas uma pequena referência à dobragem em português. Percebe-se a falta e a diferença em relação ao Gru de Nicolau Breyner mas tem que se reconhecer o mérito de Manuel Marques que deu o seu melhor nesta personagem.

Em suma, apesar de não ter uma história tão coesa como os filmes anteriores Gru e companhia continuam a garantir um bom bocado em família.

Trailer – Despicable Me 3

Comments