Frame by Frame Game of Thrones TV

Game of Thrones – 5×08 – Hardhome

Game of Thrones

Depois de uma semana de muitas surpresas, Game of Thrones não cessa em mostrar aos seus fãs aquilo de que realmente é feito. Em Hardhome os argumentistas David Benioff e D. B. Weiss expandem a sua marca de originalidade, escapando das descrições de George R. R. Martin nas obras literárias, e entregando ao público uma das melhores batalhas até então da série (que, obviamente, não se encontra nos livros). Cersei Lannister está em maus lençóis, assim que vê o seu reinado chegar ao fim, atormentada pelos lacaios de High Sparrow. Sansa volta a tentar conversar com Theon que lhe conta o que aconteceu realmente aos seus irmãos Brann e Rickon. Arya está ainda a ser treinada pelo Deus das Muitas Faces, sob a tutela de Jaqen H’ghar enquanto que Tyrion e Khaleesi discutem o futuro de ambos um com o outro. Assim que Jon Snow parte com o novo “líder” dos wildlings para recrutar novos defensores para a Patrulha da Noite, vêem-se emboscados pelo Inverno que está (finalmente!) a chegar.

Li recentemente um artigo sobre as divergências entre os livros de A Song of Ice and Fire e a série televisiva; este artigo é uma abordagem genial entre dois fãs dos livros que contrastam com as divergências transmitidas no pequeno ecrã da linha narrativa de David Benioff e D.B. Weiss (consultem aqui). Nunca nenhuma temporada se afastou da epopeia literária de Martin como esta quinta, em que os criadores da versão de TV procuram dar a sua própria pitada de originalidade, tendo em mente as necessidades do público e ignorando os comentários odiosos da população externa. O que mais me espantou neste artigo, que reporta as opiniões dos dois leitores sobre os eventos mais recentes da série é que os comentários da audiência revelam que a batalha de Hardhome era “necessária e corta o efeito aborrecido do ponto de situação dos livros de A Song of Ice and Fire”. É certo que a nova linha de história de Sansa Stark, o encontro supostamente inexistente de Daenerys e Tyrion e a batalha de Hardhome revelam-se estratégias para agarrar ainda mais os espectadores à saga, mesmo que isso implique divergências para com a fonte. Estas situações permitem também aos criadores David Benioff e D.B. Weiss de darem a sua própria marca de originalidade e cortar com o ritmo detalhado de escrita de Martin. Isto ilustra também que Game of Thrones não será uma série que irá prolongar-se até à exaustão e que é necessário avançar na história para que o público não se farte do “engonhar” que tem sido alvo de muitas queixas.

No combate de Hardhome, Benioff e Weiss proporcionam ao público aquilo por que ele ansiou durante a temporada inteira e, a cargo de Miguel Sapochnik, o conflito ganha uma vivacidade incrível. Ainda que haja uma certa necessidade explicativa do propósito dos White Walkers, o público precisa de um momento em que coloca de parte a história e saboreia uma sequência de ação violenta, crua e visualmente espantosa. Claro que o afastamento do material de origem pode provocar sérios danos a esta tão aclamada epopeia televisiva, mas até agora, com uma escrita audaz e inteligente, o público consegue agarrar-se àquilo que tanto espera durante o ano. O facto de estas porções de ação se inserirem (por duas vezes consecutivas) na linha narrativa de Jon Snow aumentam a credibilidade do papel do mesmo perante os olhos de todos e isso poderá ser uma estratégia interessante a longo prazo.

Assim que caminha para o desfecho, Game of Thrones alcança o seu auge com um episódio esplendoroso e que se revela um festim visual para tudo e para todos.

0 99 100 1
99%
Average Rating

Hardhome é visualmente triunfante e glorioso em escapar à fidelidade do produto literário de George R.R. Martin.

  • 99%

Comments