American Horror Story Frame by Frame TV

American Horror Story – 4×04 – Edward Mordrake (2)

American Horror Story

Estamos de volta ao circo de aberrações mais comentado nas redes sociais do momento. Tínhamos ficado na parte em que o espírito do assassino Edward Mordrake vagueava pelo circo em busca de uma nova vítima. Encarnado por Wes Bentley, Mordrake é uma evocação de Halloween que procura descobrir um passado obscuro em todas as aberrações do circo de Elsa. Ora, depois do Homem Foca e a Meia-Mulher irem ao confessionário e despejarem cá para fora o seu passado sombrio, cabe a Mordrake enfrentar Elsa e o passado da mesma.

Elsa era uma prostituta de alto calibre no tempo da 2ª Guerra Mundial; participava nos mais diversificados filmes pornográficos, sendo a mais cobiçada no sadomasoquismo. A necessidade financeira e de reconhecimento conduziram Elsa a bater ainda mais fundo no poço. A gerente do circo fora drogada e mutilada durante a filmagem de um bizarro e perturbador filme para adultos. A qualidade gráfica, quer a nível de conteúdo, quer a nível técnico, é soberba e provoca alguns arrepios na espinha.

Jimmy e Maggie desenvolvem uma pequena tensão romântica durante o episódio, originando alguma desconfiança nas gémeas Dott e Bette que, claramente têm interesse no rapaz. Jimmy descobre o abrigo do palhaço Twisty bem como os reféns que este tem mantido há já algum tempo.

Para além destes novos e brilhantes momentos do episódio, o auge chega quando Mordrake decide que Elsa não é a escolhida. Uma melodia capta a sua atenção e é levado até ao covil do palhaço. A história de Twisty é absolutamente fantástica, aliada a uma interpretação magnífica de John Carroll Lynch. O olhar sem vida, a postura hirta e inanimada e a constante necessidade de aprovação pelas crianças, tornam-no numa das melhores personagens já criadas em American Horror Story.

O facto de Mordrake ter reclamado a vida do palhaço é quase como se o tivesse tirado de nós. Afeiçoamo-nos com a personagem de Lynch de tal forma, que é imprescindível sentir alguma indignação quando vemos que a personagem irá desaparecer.

American Horror Story afirma-se como a rainha da televisão neste Outono, com uma força criativa gigantesca e um visual inquietante. Apesar dos momentos musicais de Jessica Lange trazerem um carisma ainda mais acentuado à série, percebemos que não a completam na totalidade, porque pelas mãos de Ryan Murphy e Brad Falchuk nada é tão linear.

0 89 100 1
89%
Average Rating

Apesar de Lange não cantar, com muita pena nossa, o suspense e o medo começam a fazer-se sentir. As personagens estão a revelar-se cada vez mais intrigantes.

  • 89%

Comments