Frame by Frame Lucifer TV

Lucifer – 1×11 – St. Lucifer

Lucifer

Lucifer (Tom Ellis) encontra-se esta semana numa missão para realizar boas ações. Depois de descobrir que rejeitar Chloe (Lauren German) lhe trouxe alguma satisfação, Lucifer voltou a apoderar-se da investigação para resolver os seus próprios problemas. Desta vez Lucifer e Chloe investigaram o homicídio de um homem com um passado questionável que agora se dedicava à filantropia. Lucifer rapidamente se apercebeu dos paralelos entre si e a vítima e decidiu que apoiar a sua instituição era mais importante do que resolver o homicídio. Este comportamento deu origem a um conflito interessante entre Chloe e Lucifer: aos poucos Chloe foi-se apercebendo que o lado mais “diabólico” a que está habituada e que nem sempre aprova é muito mais útil do que o novo “santo” Lucifer, e de que sente alguma falta desse lado. Mas este novo Lucifer também não é assim tão genuíno: a verdade é que ele apenas procura a mesma satisfação que sentiu quando rejeitou Chloe, mas nenhuma das boas ações que vai realizando lhe traz esse sentimento. Tal como Dr. Linda Martin (Rachael Harris) lhe tenta explicar, ele está mais uma vez a fazer tudo ao contrário: a procurar o seu próprio bem-estar e não o bem-estar dos outros. Voltamos assim a tocar num dos principais temas da temporada; Lucifer tem algo de infantil, fruto talvez do seu isolamento e da forma como foi tratado pelo pai. Aos poucos, a personagem está a evoluir, mas é bom sermos relembrados de que esta evolução ainda tem um longo caminho pela frente e de que existem várias características da condição humana que Lucifer simplesmente não compreende.

Entretanto, Dan (Kevin Alejandro) encontra-se numa situação perigosa: Malcolm (Kevin Rankin) mantém-o preso e revela que planeia matar Lucifer e culpar Dan. O seu acordo com Amenadiel é simples: se matar Lucifer mantém-se vivo e não volta para o inferno. Embora as cenas entre os dois não tenham oferecido muito para além de uma explicação dos motivos de Malcolm, foi interessante ouvir a sua descrição do inferno a que foi submetido e a forma como Dan tenta convencê-lo a não seguir o seu plano. Se houve um episódio em que Dan não mereceu a sua alcunha de Detective Douche, foi este.

Também neste episódio, Mazikeen (Lesley-Ann Brandt) tentou em vão reparar a sua relação com Lucifer. Não conseguindo, procurou a companhia de Amenadiel (D. B. Woodside). As cenas entre estas duas personagens são sempre um ponto alto. Temos um anjo e um demónio que no fundo não são muito diferentes; a única diferença é até que ponto exploram aquilo que são. Esperemos que as consequências desta dinâmica sejam exploradas nos próximos episódios.

Embora tenha sido um episódio muito mais concentrado no caso da semana do que alguns anteriores, o que tende a prejudicar a qualidade do mesmo, trouxe alguns desenvolvimentos e descobertas importantes e um humor bastante consistente. Temos finalmente uma resposta para a (i)mortalidade de Lucifer, que foi satisfatória ainda que um pouco previsível. A dois episódios do final da temporada (e já com a garantia de uma segunda), resta-nos saber como vai Lucifer lidar com esta revelação e como vai Amenadiel terminar os seus planos. Esperemos também que Chloe tenha daqui para a frente um pouco mais que fazer.

0 79 100 1
79%
Average Rating
  • Muito concentrado no caso da semana mas com alguns desenvolvimentos e descobertas importantes e um humor bastante consistente.
    79%

Comments